segunda-feira, julho 16, 2007

Phalaenopsis minus

Mais uma gracinha de flor! parece uma mistura de cão de fila quase a morder e caniche anão todo maricas cheio de enfeites cor de rosa eheh

Esta espécie foi descoberta apenas em 1987, e descrita em 1988 como Kingidium minus. Em 2001, o género Kingidium foi integrado no género Phalaenopsis numa revisão feita por Eric Christenson, mas o próprio diz que só incluiu esta espécie por ela ter sido antes descrita como Kingidium, pois na verdade ela tem características tão peculiares que a inclusão no subgénero lhe deixa dúvidas... na base de dados de Kew o nome está ainda 'no limbo'.

É endémica da Tailândia, de florestas de montanha de baixa altitude, onde cresce como epífita. A minha está montada num pedaço de madeira, apenas com um pouco de esfagno (trazia mais quando a recebi, mas reparei quando começou a fazer raízes que elas pareciam afastar-se do esfagno, e resolvi tirá-lo quase todo. E de facto, as raízes que estavam por baixo tinham apodrecido...). Borrifo-a todas as manhãs nesta altura, se está mais calor por volta das 13H00 também. Tem boa luminosidade indirecta, com cerca de uma hora de exposição directa ao fim da tarde. As adubações são fracas e de duas em duas semanas, mas páro-as no fim do outono, altura em que também reduzo as regas e aumento a luz directa. No habitat, é normal a perda de folhas com a chegada das temperaturas mais baixas no inverno (acontece menos frequentemente no cultivo, a minha não perdeu nenhuma ainda).

5 comentários:

Rafael Abreu disse...

Oi amigo, minha Phalaenopsis esta doente, tenho fotos dela no meu blog. Será que você, que pelo visto, tem muita expêriencia com orquideas não poderia me ajudar a solucionar o problema? Pois sou marinheiro de primeira viagem e não sei nem o que ocorreu com ela...

TC disse...

Olá Rafael, vou dar uma olhada e ajudarei concerteza no que puder!

Diogo disse...

Que delícia! É tão gira TC, adorei.

Rafael Abreu disse...

Obrigado TC... eu acredito que seja isso mesmo.. por isso coloquei ela junto de outras plantas.. tbm coloquei ela em um vaso de plástico que me falaram que ajuda a "segurar" mais a água.. e troquei o substrato, estou usando um musgo... e me diga que tipo de adubo vc usa?

TC disse...

Pois é, também adoro esta, Diogo! e há mais umas das que gostamos na manga pra breve eheh

Rafael, eu estou a usar um adubo que mandei vir dos EUA e que supostamente é muito completo, o MSU, desenvolvido pela própria universidade - de duas em duas semanas e uma colher de chá para 5 litros de água. Mas confesso que não é o factor que considero mais importante para o bom desenvolvimento das plantas... quanto a mim a luz, substrato, humidade e boa circulação do ar estão todos à frente da adubação. Mas claro que é só a minha opinião eheh
Quanto aos vasos, como sabes as phals são epífitas, e usam as raízes para a fotossíntese também. Por isso, o mais aconselhado para elas são os vasos de plástico transparente - que também permitem controlar o estado das raízes. Eu adoro vasos de barro, mas para as phals só os uso quando as plantas são já muito grandes e pesadas.
Boa sorte com a tua phal!