quarta-feira, janeiro 23, 2008

Dryadella zebrina



Originária do Brasil, Peru e Bolívia, das florestas húmidas de 1500m a 3400m, esta pequena supostamente 'fresquinha' surpreendeu-me pela sua capacidade de adaptação a temperaturas mais elevadas. Tive-a inicialmente num vaso com esfagno, mas como ela estava a reagir mal resolvi montá-la e colocá-la num sítio com mais luz (indirecta), e foi vê-la crescer a olhos vistos! Seguiram-se estas florzinhas lindas, com as sépalas compridíssimas e bicudinhas eheh, mesmo lindinhas. Parecem umas mini-masdeválias - aliás, até 1978, quando foi criado o género Dryadella, faziam todas parte do género Masdevallia.
Esta coisinha foi uma das minhas duas primeiras mini-orquídeas, e realmente não há como resistir a estas obras-primas tamanho-casa-de-bonecas. Agora quero uma das branquinhas ou (e...) laranjinhas eheh

2 comentários:

Greenman disse...

Muito bonitas!!!
E como é que as regas???

TC disse...

Trato-as como ao resto das montagens, no inverno é uma borrifadela dia sim dia não, mas como a temperatura tem estado alta para a estação tenho-as regado com um pouco de mais frequência, com uma paragem de 3 em 3 dias. No verão a borrifadela é diária, por vezes 2 x por dia. Acho que elas gostam de estar secas à noite, principalmente no inverno. Ah, e no verão vão para um cantinho com menos luz também.