quinta-feira, março 13, 2008

Lepanthes gargoyla

Esta pequena veio para cá no verão em flor, mas não gostou muito das nossas temperaturas altas... parou a floração e, apesar de ter feito algumas folhas, abortou outras tantas também. Finalmente retomou a floração no princípio do inverno, e as coisas parecem estar a correr bem melhor agora com as temperaturas mais baixas.

Originária do Equador, de florestas situadas entre os 900 m e os 1300 m de altitude, necessita de luz indirecta e temperaturas frescas. No cultivo é fundamental que não seque nunca, mas sempre com boa circulação do ar para evitar o aparecimento de fungos. Como ela tem as folhas pendentes com pedúnculos bastante compridos, o ideal seria pendurá-la; mas nas minhas condições ela ia secar demasiado rápido, daí o tê-la colocado em cima de um vaso de plástico que enchi com esfagno, e tenho-a na beira de uma prateleira para as folhas penderem à vontade.

O nome tem origem na semelhança da flor com uma gárgula, monstro alado mítico que ornamenta as goteiras das catedrais medievais. Digamos que até foi bem escolhido, ela tem realmente um ar um pouco tenebroso eheh

1 comentário:

Greenman disse...

Adorei esta pequena Gárgula!!!
:-)